terça-feira, 18 de outubro de 2011

Paralelo

Numa tarde de segunda eu sonhava
Com um mundo encantado cheio de magia e amor
O amor que para uns é musica, para outros uma flor
Para mim tudo.

E tudo o que quero é encontrar meu caminho
Dentre flores e florestas, vales e também jardins
Pois são nos jardins que moram as flores
Retalhos de carinho

Carinho bom, como abraço de mãe, beijo de pai...
O pai que cantava em seu berço para adormecer
E acordar no mundo dos sonhos
Sonhos mágicos de noites inteiras
Intensamente vividas, passadas, choradas, amadas

E por mais que lute o homem,
entre flores e sonhos sempre volta o amor.


A final, o que é um poema? É apenas um conjunto de palavras sem sentido, não necessariamente com algum nexo, ou será que é algo mais?
Fizemos esse poema na aula de Sociologia. Eu, Mariana e Thamyres. Uma sem olhar a frase da outra, sabendo apenas a palavra final da frase que a outra tinha escrito. Ele tem algum sentido para vocês? O que acharam?

2 comentários:

  1. Mmmm, acho que embora um poema seja muitas vezes feito de palavras desconexas, existe uma liga no todo...Gostei, mas prefiro os poemas egoístas, individuais...

    ResponderExcluir
  2. Que poema mais lindo, adorei.
    Muito bom o seu blog!

    Tô seguindo o blog, retribui por favor:
    http://luadesangue1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! =)