quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Essência da Alma





Do papel branco, formaram-se cores
e da tela pálida, universos.
Das tristezas, arrancou sorrisos
e das paisagens, pensamentos imersos

Pintava com lápis, caneta, giz
Com qualquer coisa ele criava
A cada traço, sua alma mais feliz
O traçado do pincel o completava

Durante os problemas enfrentados
Em seus desenhos ele se refugiava
E por mais que a vida lhe fosse cruel
era seu mundo que importava

Fora assim desde sempre
Aprendera a nunca perder a calma.
Pois, mesmo com os defeitos deste planeta
O que lhe importava era a essência da alma


Um comentário:

  1. Passei e encontrei o seu blog, estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes,
    mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
    Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante,e se desejar fazer parte de meus amigos virtuais, esteja à vontade, irei retribuir.
    Mas por favor não se sinta coagido, siga apenas se desejar. deixo a benção de Deus.
    António.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar! =)